Portugal teve, nas últimas 24 horas de quinta-feira, 27 novos casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19), totalizando 52, dos quais 16 se encontram a aguardar resultados laboratoriais, indicou a Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Os dados constam no boletim epidemiológico do Covid-19, que não reportava nenhum caso de infecção pelo novo coronavírus em Portugal até às 7:00 da tarde de quinta-feira.

Do total de novos casos suspeitos, 26 são cidadãos provenientes do norte de Itália e um do Japão.

De acordo com o boletim diário, divulgado depois das 8:00 da noite, Portugal já registou 52 casos suspeitos, dos quais 36 resultaram negativo após testes laboratoriais.

O número diário de novos casos suspeitos aumentou quinta-feira, uma vez que na quarta-feira, dia em que passou a ser divulgado o boletim epidemiológico do Covid-19, Portugal tinha registado nas 24 horas anteriores oito novos casos suspeitos, todos provenientes do norte de Itália.

A DGS reiterou quinta-feira que, “tendo em conta a situação epidemiológica mundial, “é necessário considerar a hipótese da importação de casos de doença de cidadãos provenientes da China ou de outras áreas com transmissão comunitária activa”, designadamente o norte de Itália, Coreia do Sul, Singapura, Japão ou Irão.

O risco para a saúde pública em Portugal é considerado moderado a elevado, segundo a Direcção-Geral da Saúde.

O Covid-19, detectado em Dezembro na China e que pode causar infecções respiratórias como pneumonia, já provocou mais de 2.800 mortos e infectou mais de 82 mil pessoas, de acordo com dados reportados por 48 países e territórios até quinta-feira à noite.

Das pessoas infectadas, mais de 33 mil recuperaram.

Além de 2.788 mortos na China até ontem, quinta-feira, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan.

Segundo tripulante português hospitalizado no Japão

Um segundo cidadão português está hospitalizado no Japão “por indícios relacionados” com o Covid-19, também tripulante do navio de cruzeiros Diamond Princess, confirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE).

O Ministério dos Negócios Estrangeiros confirmou que um dos portugueses é Adriano Maranhão e o segundo infectado “não quer ser identificado” e pediu que a “sua situação seja mantida privada”.

O ministério dos Negócios Estrangeiros adiantou, entretanto, que este segundo caso “ainda se encontra em observação hospitalar”.

Augusto Santos Silva confirmou também que todos portugueses retidos no Irão contactaram a embaixada portuguesa em Teerão e “têm assegurado o seu regresso antecipado” a Portugal, sem adiantar quais as datas para o regresso destas pessoas.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.

Açores registam primeiro caso suspeito

Os Açores registaram ontem, quinta-feira, o primeiro caso suspeito de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19), um homem de 31 anos que esteve em Milão (Itália), revelou o Governo Regional.

Segundo um comunicado do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do executivo açoriano, o utente é um homem de 31 anos, residente no concelho da Praia da Vitória, na ilha Terceira, “que regressou no dia 19 de Fevereiro de Milão, Itália”.

A Autoridade Regional de Saúde acrescenta que o caso “está já a ser acompanhado pelas autoridades de saúde” e que “serão agora realizadas as colheitas de amostras biológicas para diagnóstico laboratorial”, de acordo com os procedimentos fixados.

A secretária regional da Saúde dos Açores revelou na quarta-feira que os três hospitais da região – nas ilhas do Faial, Terceira e São Miguel – tinham 80 quartos de isolamento disponíveis para acolher potenciais portadores do vírus.

Portugal lança microsite para esclarecer dúvidas

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) lançou hoje, sexta-feira, um microsite sobre o coronavírus, onde os portugueses podem acompanhar a evolução da infecção em Portugal e no mundo e esclarecer dúvidas sobre a doença.

No ‘Covid-19‘, os portugueses encontram resposta às perguntas “Covid-19, o que é”, “Estarei doente”, “Posso Viajar?”.

O microsite disponibiliza também uma área intitulada “Perguntas frequentes”, onde são dadas respostas às várias dúvidas levantadas como “o 2019-ncov é o mesmo que o SARS?”, “Como se transmite?”, Os animais domésticos podem transmitir a doença, “Quais os sinais e sintomas?” e “Qual o período de incubação?”

“Existe uma vacina?”, “Existe tratamento?”, “Os antibióticos são efectivos a prevenir e a tratar o novo coronavírus?”, “Qual o risco?”, “Como me posso proteger?”, “Como viajante, o que devo fazer?” são outras dúvidas esclarecidas pela DGS no ‘site’.

O microsite disponibiliza ainda informação actualizada das áreas do mundo afectadas pela doença e da situação em Portugal, bem como os materiais de divulgação sobre a doença colocados em locais como unidades de saúde, portos e aeroportos.

60 casos suspeitos nos Estados Unidos

Os Estados Unidos detectaram o primeiro caso de contaminação local pelo Covid-19, com o número de infectados a aumentar para os 60.

O paciente em questão, que não viajou recentemente para o exterior nem esteve em contacto com um caso de coronavírus confirmado, vive no norte do estado da Califórnia.

A informação foi tornada pública logo depois do condado de Orange, no sul da Califórnia, perto de Los Angeles, ter declarado o estado de emergência de saúde local para combater o surto do novo coronavírus, tornando-se na segunda localidade no estado a tomar medidas urgentes, após a cidade de São Francisco.

China anuncia mais 44 mortos em 24 horas

O número de mortos na China continental devido ao coronavírus Covid-19 subiu hoje, sexta-feira, em 44, para 2.788, com o país a registar 433 novos casos de infecção, fixando o total em 78.824.

Segundo os dados actualizados pela Comissão Nacional de Saúde da China, até à meia-noite de quarta-feira, entre os casos confirmados, 39.919 continuam activos e 7.952 em estado grave.

Mais de 36.000 pessoas já receberam alta após superarem a doença.

A mesma fonte acrescentou que 656.000 pessoas foram colocadas sob observação após terem tido contacto próximo com os infectados, entre os quais 65.000 ainda estão a ser acompanhados.

Na província de Hubei, o epicentro da epidemia, que acumula 84% dos casos e 96% das mortes, o número de novos casos fixou-se em 318, ao mesmo tempo que morreram 41 pessoas, a maioria em Wuhan, capital da província.

A China soma 95% dos casos de infecção pelo novo coronavírus a nível mundial.

Por sua vez, a Coreia do Sul tem mais de duas mil pessoas infectadas com o coronavírus Covid-19, depois de as autoridades de saúde terem anunciado que foram detectados mais 256 casos nas últimas 24 horas de ontem, quinta-feira.

Em comunicado, a mesma entidade indicou que se mantém o registo de 13 mortes causadas pelo vírus.

OMS aumenta risco de ameaça para “muito elevado”

Por último, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aumentou hoje, sexta-feira, para “muito elevado” o nível de ameaça do novo coronavírus.

“Aumentámos agora a nossa avaliação do risco de propagação do Covid-19 e do risco de impacto para um nível global muito elevado”, disse o director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em conferência de imprensa em Genebra, na Suíça.

© Luso-Americano/Agência Lusa
(Última actualização à 1:25 pm de sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020)