MORREU JACK MAIA, FIGURA QUE DEIXA MARCA DE PESO NA IMIGRAÇÃO LUSA EM LONG ISLAND

898

Por HENRIQUE MANO, Jornal LUSO-AMERICANO

Nova Iorque

Foi enterrado sexta-feira, 3, em Cortiço, freguesia de Cervos (Montalegre), os serviços fúnebres de Jack Maia – a conhecida figura comunitária e associativa da região de Long Island, NY, que faleceu dia 31 de Dezembro de 2019. A informação foi adiantada ao jornal LUSO-AMERICANO por uma fonte próxima da família.

Jack Maia, que esteve muitos anos casado com Cândida Maia (já falecida), tinha 82 anos e padecia de esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig.

A sua morte deixa de luto a filha mais velha, Deborah Maia Strong, os netos Adam Strong, Sarah Strong e Jeffrey Maia-Correia e os bisnetos Henry Strong e Zachary Strong; recorde-se ainda a filha mais nova, já falecida, Jacqueline Maia.

❝JACK MAIA FOI INDUBITAVELMENTE UM DOS PILARES DA VIDA PORTUGUESA NO ESTADO DE NOVA IORQUE, COM PARTICULAR ÊNFASE NA ZONA DE MINEOLA❞

➫Jack Martins, ex-senador estadual no estado de Nova Iorque

“Jack Maia foi indubitavelmente um dos pilares da vida portuguesa no estado de Nova Iorque, com  particular ênfase na zona de Mineola”, afirma o ex-senador Jack Martins, em declarações prestadas ao jornal LUSO-AMERICANO e reagindo à morte do imigrante transmontano. “Muito daquilo que hoje define a nossa comunidade tem a sua marca. A influência de Jack Maia faz-se sentir em muitos de nós, luso-americanos, a quem, como pioneiro, foi abrindo caminho. O seu desaparecimento físico é uma perda para todos nós.”

Paulo Pereira, vice-‘mayor’ de Mineola, concorda e acrescenta: “Foi uma das pessoas que mais me incentivou a entrar na política, mesmo antes de ter pensado na hipótese de o poder fazer. Foi realmente um dos ‘históricos’ da nossa comunidade”, sublinha o político, falando ao jornal LUSO-AMERICANO. “Para além disso, soube fazer a ponte entre os portugueses e a sociedade americana, criando oportunidades para todos nós. À parte isso, a sua vida dava um filme…”.

❝FOI REALMENTE UM DOS ‘HISTÓRICOS’ DA NOSSA COMUNIDADE E SOUBE FAZER A PONTE ENTRE OS PORTUGUESES E A SOCIEDADE AMERICANA, CRIANDO OPORTUNIDADES PARA TODOS NÓS❞

➫Paulo Pereira, vice-‘mayor’ de Mineola, NY

Joaquim dos Santos Maia era filho de Ana dos Santos  Maia e de Domingos Maio; emigrou em 1957 para os Estados Unidos a bordo de um navio de carga, chegando ao porto de Brooklyn, NY no Dia de São João; tinha 20 anos e acabou por ir parar a Bridgeport, CT, onde vivia um tio, José Maia, e mais tarde a New Bedford, MA.

Anos depois, viria a casar com uma jovem filha de mãe portuguesa e pai galego, Cândida, com quem teve uma filha, Jacqueline (igualmente falecida).

Em 1976, já radicado em Mineola, NY, abre o primeiro restaurante português ma região – o ‘Lisboa à Noite’, que vende em 2000 para embarcar noutra aventura de restauração, desta feita em Westchester (o ‘Pérola do Atlântico’).

Mas foi a sua dedicação à comunidade que marca uma vida de entrega a Portugal na América; foi presidente do Mineola Portuguese Center de 1967 a 1969 e de 1980 a 1982, para além de ter ocupado outros cargos; foi igualmente sócio fundador da Associação Cívica Portuguesa do Estado de Nova Iorque e teve papel activo na American Foundation for Charities of Portugal (ambas já extintas); foi igualmente padrinho do Rancho Folclórico ‘Juventude e Sonhos de Portugal’, de Mineola.

Os nossos pêsames à família enlutada.