Investigadores da Universidade Tohoku, Japão, desenvolveram lentes inteligentes com um mecanismo de lubrificação do olho.

As lentes de contacto inteligentes estão a ser desenvolvidas para várias áreas de utilização, desde realidade virtual à monitorização e correcção não invasiva da visão.

Contudo, apesar dos avanços, não tem havido progressos quanto ao gran- de problema da secura ocular provocada pelas lentes do dia a dia. Um dos grandes problemas de usar lentes de contacto é a síndrome do olho seco que leva a danos na córnea e inflamação.

Neste estudo a equipa de cientistas procurou desenvolver um mecanismo que permite o fluxo de fluído entre o olho e a lente, de forma a prevenir a secura.

O sistema desenvolvido usa o fluxo electro osmótico que faz com que o líquido flua quando é aplicada uma voltagem na superfície com carga.

A corrente aplicada a um hidrogel faz com que o fluído da reserva de lágrimas da pálpebra inferior suba e humedeça a zona entre o olho e a lente.

Foram ainda testados dois tipos de baterias, uma de oxigénio-magnésio e outra de oxigénio-frutose enzimática. Ambas se demonstraram seguras e não tóxicas.

O sistema criado pode ser alimentado com estas baterias e aplicado nas lentes de contacto com carga.

Para mais pormenores, ASSINE a edição online. Ou compre a edição impressa de 6ª feira, 31 de Janeiro de 2020.