LUSO-DESCENDENTE FOI ‘FASHION DESIGNER OF THE DAY’ EM TALK-SHOW DA REDE ABC

198
FOTO: Jornal LUSO-AMERICANO A estilista Anita da Silva fotografada em Nova Iorque, esta semana, o de vive e trabalha

• Por HENRIQUE MANO | Jornal LUSO-AMERICANO

Foi um vestido em ganga importada do Japão que colocou há dias a desenhadora de moda Anita da Silva, de Manhattan, no programa ‘Tamron Hall Show’, da rede norte-americana ABC.

O ‘Lolita’, que custa $5,025 e está agora esgotado, foi a locomotiva para que a estilista filha de imigrantes micaelenses a fazer carreira na ‘Big Apple’ mostrasse ao país parte da sua colecção, com um desfile transmitido no já citado talk-show

“Eles gostaram tanto do modelo ‘Lolita’, da minha actual colecção, que me convidaram para ser ‘Fashion Designer of the Day’”, conta a criadora, em entrevista exclusiva ao jornal LUSO-AMERICANO, concedida no Hotel Nomad, em Nova Iorque.

O ‘Lolita’, que custa $5,025 e está agora esgotado, foi a locomotiva para que a estilista filha de imigrantes micaelenses a fazer carreira na ‘Big Apple’ mostrasse ao país parte da sua colecção, com um desfile transmitido no já citado talk-show.

Anita da Silva, à esq., no ‘Tamron Hall Show’, onde foi ‘Fashion Designer of the Day’

Anita da Silva criou há dois anos a marca de pronto-a-vestir de alta qualidade ‘École Primaire’ (‘Escola Primária’, em francês), que tem disponível em loja online e ainda à venda numa boutique de luxo em Montréal. A colecção actual inclui apenas roupa feminina, com a estilista a incluir pela primeira vez uma mala no naipe de opções da ‘École Primaire’. A luso-descendente recorre a materiais amigos do ambiente e opta pela sustentabilidade, recorrendo apenas a mão-de-obra local.

❝NUNCA TIVE NADA DE MARCA ATÉ AOS 16 ANOS, A MINHA MÃE ERA COSTUREIRA E FAZIA A MINHA ROUPA E A DA MINHA IRMÃ❞

➫Anita da Silva, estilista

Nasceu em Montréal e cresceu no seio de uma numerosa comunidade portuguesa. “Cheguei a andar no rancho folclórico da Igreja Nossa Senhora de Fátima”, nota. Os pais, Agostinho da Silva e Maria Moniz da Silva, emigraram da freguesia micaelense de Rabo de Peixe para o Canadá. “Foi onde se conheceram”, conta. “A minha mãe veio com 17 anos para casa de uma tia e era costureira, chegou a faze camisas para homem numa fábrica; o meu pai trabalhou na montagem de linhas para os caminhos de ferro.”

A presença de Anita da Silva no ‘The Tamron Hall Show’ (ABC) incluiu uma passagem de modelos com criações da estilista lusa

Os Silva fizeram muitos sacrifícios para dar às duas filhas uma educação de primeira e ultrapassar o ciclo de pobreza familiar. “Nós não éramos ricos e a minha mãe fazia toda a roupa para mim e para a minha irmã”, diz a estilista. “Nunca tive nada de marca até aos 16 anos, era tudo de fabrico caseiro. A minha mãe era muito conservadora e não queria que eu usasse calças de ganga.”

Ainda pensou em seguir psiquiatria, mas um ano de universidade foi suficiente para perceber que o caminho era outro. Acabou por formar-se em moda pelo Collège LaSalle de Montréal e, num ápice, estava no mundo do calçado.

❝NOVA IORQUE FOI SEMPRE UMA CIDADE ONDE SONHEI VIVER E TRABALHAR❞

➫Anita da Silva, estilista

Passou por nomes como Wolverine, GH Bass & Co., Bass Love Rachel Antonoff e Aldo, onde desenhou hush puppies, e viajou pelo globo em feiras do sector à procura de tendências. Em 2008, em plena crise financeira, muda-se para Nova Iorque.

FOTO: Jornal LUSO-AMERICANO
Um dos pontos altos de carreira, foi a apresentação da sua linha de pronto-a-vestir na Semana da Moda em Paris

“Foi sempre uma cidade onde sonhei viver e trabalhar, influenciada pelo cinema e revistas de moda”, afirma.

Um dos pontos altos de carreira, foi a apresentação da sua linha de pronto-a-vestir na Semana da Moda em Paris.

A estilista quer agora conhecer Portugal continental, tendo já estado múltiplas vezes nos Açores. “Adorava ir a Lisboa”, refere. “Tenho montes de amigos americanos que estiveram lá de férias e adoraram.”