MÃE PORTUGUESA COM 3 FILHOS BOMBEIROS EM NOVA IORQUE: ❝MÁGOA MAIOR É NÃO OS PODER ABRAÇAR❞

10255

Por HENRIQUE MANO | Jornal LUSO-AMERICANO

Há dias, nasceu-lhe o quarto neto. Hayden Manuel Costa. “Ninguém estava à espera que fosse numa altura destas, mas isto não se programa”, diz a muita ansiosa avó Angelina Costa, que, de coração apertado, ainda só viu o rebento do filho mais novo, Jason, ao telefone e em fotografia. “Quando a minha nora saiu do hospital, passaram em frente à nossa casa mas só os vi à distância.”

Faz uma pausa e acrescenta: “Nem imagina o que isso representa para uma avó… O meu filho mais velho, o José, tem três filhos e sempre fui ao hospital vê-los quando nasciam.”

FOTO: Jornal LUSO-AMERICANO
Os três filhos bombeiros no FDNY de Angelina Costa: Jason, José e Manuel Costa

A única neta fez 8 anos esta semana. “Não a pude ver, eles passaram os três de carro por aqui e foi só”, diz Angelina Costa, que está há um mês em isolamento social – como se pede a toda gente que esteja.

A acrescentar a isto tudo, o quinto neto também vem a caminho… É o primeiro filho de Manuel Costa, e chegará a este mundo cada vez mais conturbado lá para Agosto.

❝JÁ HÁ MUITOS ANOS QUE ME CONFORMEI COM A ESCOLHA DE CARREIRA QUE FIZERAM, PORQUE SEI QUE SÃO FELIZES COM O QUE FAZEM❞

➔Angelina Costa, mãe de três filhos bombeiros

Esta portuguesa de São Martinho de Valbom, Minho, com 41 anos de emigração na América, já se habituou a viver em sobressalto. Dois filhos optaram por uma profissão de risco e entraram para as fileiras do NYPD, o emblemático departamento de polícia de Nova Iorque. Mais tarde trocaram a farda de agente pela de bombeiro; um terceiro, que era contabilista, abandonou as contas e fez-se ‘soldado da paz’ na ‘Big Apple’.

Estão os três afectos ao FDNY (Fire Department of New York) no bairro de Queens, onde nasceram, um dos mais afectados pela COVID-19. José, 39, já é tenente; os outros, Manuel, 35, e Jason, 33, estão na linha da frente do combate à pandemia.

❝JÁ NÃO SAIO DE CASA HÁ 5 SEMANAS E JÁ CHOREI MUITO❞

➔Angelina Costa mãe de três filhos bombeiros em Nova Iorque

FOTO: Cortesia Angelina Costa
O casal Angelina e Manuel Costa com três dos quatro netos que agora só vêem à distância

“Já não saio de cada há 5 semanas e já chorei muito”, afirma Angelina Costa, que está em confinamento com o marido Manuel. “E não choro por eles serem bombeiros. Já há muitos anos que me conformei com a escolha de carreira que fizeram, porque sei que são felizes com o que fazem. Mágoa maior é não os poder abraçar; eles passam aqui à porta e vejo-os à distância. Eles pedem-nos que fiquemos em casa, a família não se pode juntar agora. É uma mágoa bastante grande no coração de uma mãe, é um momento de muito desespero. Mas é para o bem de todos.”

Tal como fez no 11 de Setembro, recorre à fé e às orações para enfrentar estes dias de incerteza… “Rezo muito a Nossa Senhora para que lhes dê coragem e que os proteja a eles e a todos nós. O resto está nas mãos de quem sabe.”

❝REZO MUITO A NOSSA SENHOR PARA QUE LHES DÊ CORAGEM E QUE OS PROTEJA A ELES E A TODOS NÓS❞

➔Angelina Costa, mãe de três filhos bombeiros em Nova Iorque

FOTO: Cortesia Angelina Costa
Angelina Costa com o filho bombeiro Jason, no seu casamento em Portugal no ano passado; Jason foi pai eta semana e a imigrante minhota ainda não pôde conhecer o neto

A immigrate minhota nunca imaginou que os filhos viessem a escolher profissões de riscos. “A gente acha sempre que vão estudar para ser advogados ou médicos”, observa. “Os meus foram para a polícia e para os bombeiros. O Manuel foi o que mais me surpreendeu, porque já era contabilista em Manhattan há dez anos quando resolveu deixar tudo e tornar-se bombeiro. Mas o que importa é que são felizes e  nenhum se arrependeu das escolhas que fez.”

Angelina Costa, que tem em Portugal uma mãe com 94 anos e uma sogra a fazer 103, reconhece que já se conformou. “O perigo está em todo o lado e quantas vezes, infelizmente, vemos tragédias acontecerem aos filhos de outros casais que seguiram profissões consideradas de não-risco?”